Home Notícias

Para o sucesso pessoal ou empresarial é imperativo que boas decisões sejam tomadas. A maior atribuição de um gestor é a tomada de decisão. Quando tomamos uma decisão, temos sempre a probabilidade de, no mínimo, 50% de sucesso ou 50% de fracasso. Até no caso de uma pessoa que está desempregada e recebe uma oferta de emprego, ela sempre tem duas opções, ou seja, pode aceitar ou não a oferta de emprego.

Desta forma, o que devemos fazer para tomarmos boas decisões financeiras? Primeiramente, devemos compreender as demonstrações e relatórios financeiros. O hábito da leitura de livros técnicos de finanças, bem como a leitura de balanço e demonstrativos financeiros de grandes empresas pode ajudar na compreensão e análise dinâmica das finanças de uma empresa.

Outro ponto muito importante é comprar e manter somente ativos que adicionam valor à riqueza do investidor, neste caso, investir em projetos e negócios que possuem VPL (Valor Presente Líquido) positivo, agregando assim valor às operações da empresa.

Gerenciamento do caixa é primordial. Existem estatísticas que demonstram que a grande causa dos insucessos empresariais são decorrente, principalmente, da má gestão do caixa. Como dizem os americanos: “O Caixa é o rei”.

Saber calcular o valor do dinheiro no tempo é fundamental. O conhecimento de juros, sistemas de amortização e operações de matemática financeira contribui para expandir o raciocínio lógico e quantitativo e certamente ajudará o gestor a tomar boas decisões financeiras.

Minimizar o custo dos financiamentos é uma regra para ser bem sucedido. É claro que uma boa gestão financeira poderá contribuir para uma melhor negociação junto às instituições financeiras.

Avalie sempre o risco e o retorno associado à decisão a ser tomada. Infelizmente, muitos empresários não conseguem dimensionar o risco em que estão sendo expostos e acabam comprometendo as finanças da empresa em projetos mal sucedidos. Deve-se ter uma atenção especial aos riscos envolvidos. Uma dica para minimizar o risco é a diversificação.

Uma frase muito famosa, do economista norte-americano Milton Friedman (in memoriam) resume muito bem como se deve gerir financeiramente uma empresa ou projeto. Ele dizia sempre em suas aulas e palestras que “não existe almoço grátis”, ou seja, para todo benefício, existe um custo associado. As decisões de custos são preponderantes para a estratégia da empresa. A estrutura de custos é quem define a estratégia financeira da empresa. Não adianta ter um volume de produção pequeno e querer “brigar” com preços no mercado. Isto certamente pode não terminar bem.

Pense nisto! E como sempre digo: Vamos em Frente!